• Roland Hohberg

Censura

Updated: Mar 11

Aqui está o texto de uma música que foi censurada há 10 anos.

A música "O país é nosso" foi gravada em 2009, muito antes de a dívida ilegal se tornar pública.

O song aparecerá no meu livro "A caixa negra da música moçambicana", que deve ser lançado em dezembro deste ano.

O país é nosso Projecto Mabulu / Seguindo Sonhos Composição: Roland Hohberg / Edson da Luz

Gravação: Massaca 2009 I O país é teu O país é meu O país é nosso Nosso Moçambique Da Ponta d Ouro Até o Rovuma O país é lindo Nosso Moçambique Temos as florestas E as savanas As belas praias E os minerais Veja os planaltos Rios e lagoas Veija as montanhas E os animais Toda nossa terra É uma herança Onde nós nascemos Plantamos esperança O país é teu O país é meu O país é nosso Nosso Moçambique II Eu li a tua história Nas páginas escritas pelos homens Vi tua geografia batizada com outros nomes Deixaram-te esfomeada pra sacear outras fomes Homens morreram por ti de botas e uniformes Eu vi teus filhos falarem pra calarem suas guerras Eu vi os multiplicarem-se e habitarem tuas terras Eu fui do Indico ao Zumbo Fui do Rovuma ao Maputo Teus filhos falam muitas linguas mas no mesmo Mabulu Eles falam das tuas praias Dos teus rios e lagos Alimentam-se desse peixe Que ofereces ao barcos Depois vêm os camponeses engravidarem-te Lançam-te as sementes pra fazeres germinarem E são vastas as florestas Onde se perdem os animais Homens acham as tuas pedras E se perdem por minerais Moçambique Pertences a cada um de nós És nossa mãe sacrificada Tu pertences a todos nós És nossa pátria amada. III Nas planíces do sul Eu vejo Chopes e Muzongas Eles descrevem a tua beleza Em Xitsuas e Bitongas Timbilas e congas As melodias são longas Bebo canhu em Guaza Mutini E descanço nas sombras E os palmares em Inhambane dão me coco e lanho Bebo sura enquanto as praias me convidam ao banho Arde o gás de Pande A estrada leva-me ao Save Atravesso aquele rio Os Ndaus entregam-me a chave E os Ndaus so falam da Beira Faço o desvio no Inchope e faço escala na Beira To na estrada de novo Quero chegar ao Chimoio E é na Cabeça do Velho onde para o meu olho E no frio de Manica subo a Serra do Vengo Como és lindo lá de cima, Moçambique só vendo Vou de Tete até Nampula Zambézia e Niassa Mais carvão, mais madeira Tu das tudo de graça E quando chego à Cabo Delgado Vou as praias do Wimbe Olho para o horizonte E penso em ti Moçambique Penso naqueles teus filhos Que querem só para eles E para viver as suas vidas fazem tu morreres Tu não pertences a nenhum deles A nossa mãe sacrificada Tu pertences a todos nós És nossa pátria amada.